Horário de atendimento ao público: de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 16h

Número de telefone: +381 11 2662 895

Email: portcons@verat.net

Contacto no caso da emergência consular: +381 63 262 069

 

A Secção Consular da Embaixada de Portugal em Belgrado tem como área de jurisdição o território da República da Sérvia, do Montenegro, da República da Macedónia do Norte e da Bósnia e Herzegovina.

Os nacionais da República da Sérvia, do Montenegro, da República da Macedónia do Norte e da Bósnia  e Herzegovina, portadores de passaporte biométrico, não necessitam de visto para Portugal para estadas turísticas até 90 dias, no período de 180 dias (exceto Passaportes da R. Sérvia emitidos pelo Departamento de Coordenação / Koordinaciona Uprava).

É necessário ter seguro de viagem para os Países Schengen / Portugal para o período da estada, bem como o bilhete de regresso.

Recomenda-se ter o voucher de hotel  (no caso de estada em hotel reservada através de agência de turismo) ou carta-convite (que não é preciso autenticar no notariado) para estadas com duração entre 30 e 90 dias.

Os portadores de passaporte diplomático não necessitam de visto.

Para estadas superiores a 90 dias, é requerido um visto nacional, para  estudo, trabalho, voluntariado, etc.

 

VISTOS

É exigido visto de longa duração – Visto Nacional – a todos os nacionais de Estados terceiros que pretendam permanecer em Portugal por mais de 90 dias.

Os pedidos de visto são submetidos, pessoalmente, na Seção Consular, durante o horário de atendimento, com a documentação válida necessária.

 

VISTOS NACIONAIS

Os vistos nacionais podem ser de estada temporária ou para a obtenção de autorização de residência, consoante a duração da estada e habilitam o seu titular a permanecer em Portugal de acordo com o motivo pretendido: estudo, estágio, trabalho, tratamento médico, entre outros.

O visto de estada temporária destina-se a permitir a entrada para estadas em Portugal por período inferior a um ano. Este é válido pela duração da estada e para múltiplas entradas em território nacional.

visto para obtenção de autorização de residência é válido para duas entradas e por quatro meses, período durante o qual o seu titular deverá solicitar junto do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) um título para fixação de residência.

 

  • VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA

 

DOCUMENTAÇÃO INSTRUTÓRIA GERAL:

 

  • Requerimento em modelo próprio;
  • Passaporte válido por mais 3 meses para além da duração da estada prevista;
  • Duas fotografias iguais, tipo passe, atualizadas e em boas condições de identificação do requerente;
  • Título de transporte que assegure o seu regresso;
  • Comprovativo da situação regular caso seja de outra nacionalidade que não a do país onde solicita visto (autorização de residência);
  • Seguro de viagem válido, que permita cobrir as despesas necessárias por razões médicas, incluindo assistência médica urgente e eventual repatriamento, e a sua cobertura deve ser, no mínimo, de 30.000 euros.
  • Requerimento para consulta do registo criminal português pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF);
  • Certificado de registo criminal do país de origem ou do país onde o requerente resida há mais de um ano (os menores de 16 anos estão isentos da apresentação dos documentos relativos ao registo criminal);
  • Comprovativo das condições de alojamento;
  • Comprovativo da existência de meios de subsistência.

 

- DOCUMENTAÇÃO ESPECÍFICA CONSOANTE O MOTIVO DA ESTADA PRETENDIDO:

 

Visto de Estada Temporária para tratamento médico

  • Relatório médico;
  • Comprovativo emitido por estabelecimento de saúde oficial ou oficialmente reconhecido de que o requerente tem assegurado o internamento ou tratamento ambulatório;
  • No caso de doentes enviados ao abrigo de Acordos de Cooperação deverá ser apresentado comprovativo da Junta Médica e marcação da consulta. Nestes casos, a prova de meios de subsistência e comprovativo de alojamento poderá ser substituído por declaração da Embaixada em Lisboa a garantir as referidas condições.

 

Visto de Estada Temporária para acompanhamento de familiar sujeito a tratamento médico

  • Documento comprovativo dos laços de parentesco com o doente que pretende acompanhar;
  • Relatório médico do familiar que acompanha;
  • Comprovativo emitido por estabelecimento de saúde oficial ou oficialmente reconhecido de que o requerente tem assegurado o internamento ou tratamento ambulatório;
  • No caso de doentes enviados ao abrigo de Acordos de Cooperação deverá ser apresentado comprovativo da Junta Médica e marcação da consulta. Nestes casos, a prova de meios de subsistência e comprovativo de alojamento poderá ser substituído por declaração da Embaixada em Lisboa a garantir as referidas condições.

 

Visto de Estada Temporária no âmbito de transferências de cidadãos nacionais de Estados partes na Organização Mundial do Comércio (OMC), no contexto da prestação de serviços ou formação profissional

  • Documentos comprovativos de transferência de estabelecimento da mesma empresa ou mesmo grupo de empresas

 

Visto de Estada Temporária para o exercício de atividade profissional independente

  • Contrato ou promessa de contrato de prestação de serviços no âmbito de uma atividade profissional independente de carácter temporário.
  • Quando aplicável, declaração emitida pela entidade competente para a verificação dos requisitos do exercício de profissão que, em Portugal, se encontre sujeita a qualificações especiais.

 

Visto de Estada Temporária para o exercício de atividade de investigação científica em centros de investigação, de atividade docente num estabelecimento de ensino superior ou de atividade altamente qualificada por período inferior a 1 ano

Comprovativo:

  • de admissão para colaborar num centro de investigação, reconhecido pelo Ministério da Educação e Ciência, nomeadamente através de uma promessa ou contrato de trabalho, de uma proposta ou contrato de prestação de serviços ou de uma bolsa de investigação científica; ou,
  • que tenham uma promessa ou um contrato de trabalho ou uma proposta escrita ou um contrato de prestação de serviços para exercer uma atividade docente num estabelecimento de ensino superior ou uma atividade altamente qualificada em território nacional.

 

Visto de Estada Temporária para o exercício de atividade desportiva amadora

  • Contrato de trabalho por período inferior a um ano;
  • Documento da respetiva federação que confirme o exercício da atividade desportiva;
  • Termo de responsabilidade subscrito pela associação ou clube desportivo relativo ao alojamento e pelo pagamento de eventuais cuidados de saúde e despesas pelo regresso ao país de origem.

 

Visto de Estada Temporária para períodos superiores a 3 meses: frequência de programas de estudo em estabelecimento de ensino reconhecido, intercâmbio de estudantes, estágio profissional não remunerado, voluntariado, ou no cumprimento de compromissos da OMC ou decorrentes de convenções e acordos internacionais de que Portugal é parte

  • Para frequência de programas de estudo de duração igual ou inferior a um ano em estabelecimento de ensino, ou no âmbito de intercâmbio de estudantes com a mesma duração:
    • Documento emitido pelo estabelecimento de ensino, comprovativo de aceitação;
    • Declaração comprovativa de acolhimento por família; ou
    • Comprovativo de alojamento;
    • A prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela organização responsável por programas de intercâmbio de estudantes.
  • Para estágio profissional:
    • Documento emitido por empresa ou organismo de formação profissional oficialmente reconhecido atestando a admissão no estágio, no respetivo programa, e se necessário, contrato de formação e calendarização do programa;
    • A prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela entidade de acolhimento do estágio. 
  • Para voluntariado:
    • Documento emitido pela organização responsável pelo programa de voluntariado oficialmente reconhecida, que ateste a admissão;
    • A prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela organização responsável por programas de voluntariado.
  • No âmbito de compromissos internacionais:
    • No âmbito de compromissos internacionais ao nível da liberdade de prestação de serviços;
    • Contrato de prestação de serviços celebrado entre o cidadão estrangeiro e o consumidor final;
    • Posse das habilitações técnicas para a prestação de serviços em causa.  

 

 Visto de Estada Temporária para trabalho sazonal para período superior a 90 dias

  • Pode ser dispensada a apresentação de título de transporte que assegure o seu regresso;
  • Comprovativo das condições de alojamento: contrato de arrendamento ou contrato de comodato de alojamento ou termo de responsabilidade da entidade empregadora quanto à disponibilidade de alojamento com indicação das suas condições caso as condições não constem no contrato ou promessa de contrato de trabalho;
  • Comprovativo da existência de meios de subsistência (a prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela entidade de acolhimento de trabalhadores);
  • Contrato ou promessa de contrato de trabalho celebrado com empresa de trabalho temporário ou com empregador estabelecido em Portugal que identifique o local, o horário e o tipo de trabalho, duração e remuneração e férias pagas a que o trabalhador tem direito;
  • A duração do contrato terá um máximo de 9 meses;
  • Seguro de acidentes de trabalho disponibilizado pela entidade empregadora.

A atividade deve estar inserida na lista de sectores de emprego definida pelo Governo:

  • Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca
  • Alojamento, restauração e similares
  • Indústrias alimentares, das bebidas e tabacos
  • Comércio por grosso e a retalho
  • Construção
  • Transportes

 

Visto de Estada Temporária para frequência de curso em estabelecimento de ensino ou de formação profissional

  • Documento emitido por estabelecimento de ensino ou de formação profissional oficialmente reconhecidos que comprove a admissão do requerente a curso de duração inferior a 1 ano.

 

  • VISTO DE RESIDÊNCIA

 

 - DOCUMENTAÇÃO INSTRUTÓRIA GERAL:

  • Requerimento em modelo próprio
  • Passaporte ou outro documento de viagem válido por mais 3 meses para além da duração da estada prevista;
  • Duas fotografias iguais, tipo passe, atualizadas e em boas condições de identificação do requerente; 
  • Seguro de viagem válido, que permita cobrir as despesas necessárias por razões médicas, incluindo assistência médica urgente e eventual repatriamento; 
  • Comprovativo da situação regular caso seja de outra nacionalidade que não a do país onde solicita visto; 
  • Requerimento para consulta do registo criminal português pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF); 
  • Certificado de registo criminal do país de origem ou do país onde o requerente resida há mais de um ano (os menores de 16 anos estão isentos da apresentação dos documentos relativos ao registo criminal);
  • Comprovativo das condições de alojamento;
  • Comprovativo da existência de meios de subsistência.

 

- DOCUMENTAÇÃO ESPECÍFICA RELATIVA AO OBJETIVO DA ESTADA:

 

Exercício de atividade profissional subordinada

  • Contrato de trabalho ou promessa de contrato de trabalho;
  • Declaração emitida pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP); 
  • Para os efeitos de prova de meios de subsistência, devem ser tidos em consideração os meios provenientes de contrato ou promessa de contrato de trabalho;
  • A prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de termo de responsabilidade subscrito pela entidade de acolhimento de trabalhadores;
  • Comprovativo de que está habilitado ao exercício da profissão, quando esta se encontre regulamentada em Portugal.

 

Exercício de atividade profissional independente ou para imigrantes empreendedores

Para atividade profissional independente:

  • Contrato de sociedade ou proposta escrita de contrato de prestação de serviços no âmbito de profissões liberais; e, se aplicável, declaração emitida pela entidade competente em como se encontra habilitado a exercer a atividade em Portugal.

 

Para imigrantes empreendedores e Visto Start-Up

  • Comprovativo de que efetuou operações de investimento ou possui meios financeiros disponíveis em Portugal para o fazer; ou
  • Comprovativo de que possui meios financeiros disponíveis em Portugal, incluindo os decorrentes de financiamento obtido junto de instituição financeira em Portugal, e demonstrem, por qualquer meio, a intenção de proceder a uma operação de investimento em território português, devidamente descrita e identificada; ou,
  • Declaração do IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação I.P., comprovativa de celebração de contrato de incubação com incubadora certificada, conforme Artigo 6do Despacho Normativo n.º 4/2018 do Ministro da Economia, de 2 de Fevereiro, que regulamenta o programa «StartUp Visa».

 

Para atividade docente, altamente qualificada ou cultural

Para atividade docente, altamente qualificada ou cultural

  • Contrato de trabalho ou promessa de contrato de trabalho ou contrato de prestação de serviços; ou,
  • Carta convite emitida por instituição de ensino ou de formação profissional; ou,
  • Termo de responsabilidade de empresa certificada nos termos definidos por portaria dos membros do Governo responsáveis pelas áreas da administração interna e da economia; ou,
  • Carta convite emitida por empresa ou entidade que realize em território nacional uma atividade cultural reconhecida pelo membro do Governo responsável pela área da cultura como de interesse para o país, ou como tal definida na lei; ou,
  • Carta convite emitida por centro de investigação;
  • Para os efeitos de prova de meios de subsistência, devem ser tidos em consideração os meios provenientes de contrato de trabalho ou promessa de contrato de trabalho. A prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela entidade de acolhimento de trabalhadores.

Para atividade altamente qualificada exercida por trabalhador subordinado

  • Contrato de trabalho ou de promessa de contrato de trabalho válidas com, pelo menos, um ano de duração, a que corresponda uma remuneração anual de, pelo menos, 1,5 vezes o salário anual bruto médio nacional ou três vezes o valor indexante de apoios sociais (IAS);
  • No caso de profissão regulamentada, prova em como dispõe de qualificações necessárias;
  • No caso de profissão não regulamentada, ser titular de qualificações profissionais relevantes adequadas à profissão especificada no contrato de trabalho;
  • Para os efeitos de prova de meios de subsistência, devem ser tidos em consideração os meios provenientes de contrato de trabalho ou promessa de contrato de trabalho. A prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela entidade de acolhimento de trabalhadores.

 

Investigação, estudo, intercâmbio de estudantes de ensino secundário, estágio e voluntariado  

Para atividade de investigação:

  • Contrato de trabalho ou convenção de acolhimento com centro de investigação ou instituição de ensino superior, ou ter sido admitido em centro de investigação ou instituição de ensino superior, e possuir bolsa ou subvenção de investigação ou apresentar termo de responsabilidade subscrito pelo centro de investigação ou instituição de ensino superior que garanta a sua admissão, bem como as despesas de estada;
  • Os investigadores admitidos em centro de investigação ou instituição de ensino superior oficialmente reconhecido nos termos da legislação em vigor estão dispensados de apresentar seguro de saúde ou equivalente, contrato de trabalho ou convenção, seguro de viagem ou meios de subsistência;
  • Para os efeitos de prova de meios de subsistência, devem ser tidos em consideração os meios provenientes de subvenções ou bolsas de estudo;
  • É dispensado de apresentação de prova de suficiência dos meios de subsistência sempre que seja beneficiário de bolsa de investigação;
  • Os investigadores admitidos em centros de investigação ou de ensino superior oficialmente reconhecidos (Artigo 91o-B da Lei 23/2007) estão dispensados de documento comprovativo dos meios de subsistência.

Para estudo no ensino superior:

  • Preenche as condições de admissão ou foi aceite em instituição do ensino superior para frequência de um programa de estudos e que possui os recursos suficientes para a respetiva frequência;
  • Os estudantes de ensino superior instituição de ensino superior oficialmente reconhecido nos termos da legislação em vigor estão dispensados de apresentar seguro de saúde ou equivalente, de comprovar condições de admissão ou em como foi aceite em instituição de ensino superior, seguro de viagem ou meios de subsistência;
  • Documento emitido por estabelecimento de ensino em como foi admitido ou preenche condições de admissão. Este documento é dispensado no caso de ser beneficiário de bolsa de estudo;
  • Para os efeitos de prova de meios de subsistência, devem ser tidos em consideração os meios provenientes de subvenções ou bolsas de estudo;
  • São dispensados da prova de suficiência de meios de subsistência os estudantes beneficiários de uma bolsa de estudo, assim como os nacionais de Estados terceiros de língua oficial portuguesa.

Para estudante do ensino secundário: 

  • Ter sido aceite num estabelecimento de ensino; ter idade conforme limites fixados na portaria; e, ser acolhido por família ou ter alojamento assegurado em instalações adequadas, durante o período da estada;
  • Declaração do estabelecimento de ensino em que o aluno foi admitido; documento comprovativo de acolhimento por família, ou documento comprovativo de alojamento. Sendo bolseiro do Instituto Camões é dispensado de apresentação de documento comprovativo de admissão bem como prova de meios de subsistência;
  • Para os efeitos de prova de meios de subsistência, devem ser tidos em consideração os meios provenientes de subvenções ou bolsas de estudo;
  • No caso de intercâmbio de estudantes, a prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela organização responsável por programas de intercâmbio de estudantes.

 

Para efeitos de estágio: 

Comprovativo em como foi aceite como estagiário por uma entidade de acolhimento certificada e apresentar um contrato de formação teórica e prática, no domínio do diploma do ensino superior de que é possuidor ou do ciclo de estudos que frequenta, o qual deve conter:

  • Descrição do programa de formação, nomeadamente os respetivos objetivos educativos ou componentes de aprendizagem;
  • Duração e horário da formação; 
  • Localização e condições de supervisão do estágio;
  • Caracterização da relação jurídica entre o estagiário e a entidade de acolhimento;
  • Menção de que o estágio não substitui um posto de trabalho e de que a entidade de acolhimento se responsabiliza pelo reembolso ao Estado das despesas de estada e afastamento, caso o estagiário permaneça ilegalmente em território nacional;
  • Para os efeitos de prova de meios de subsistência, devem ser tidos em consideração os meios provenientes de subvenções ou bolsas de estudo. A prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela entidade de acolhimento de estagiários.

 

Para voluntariado:

  • contrato com a entidade de acolhimento responsável pelo programa de voluntariado, do qual conste uma descrição do conteúdo e duração do programa de voluntariado, horário, condições de supervisão e garantia da cobertura das despesas de alimentação e alojamento, incluindo uma soma mínima de ajudas de custo ou dinheiro de bolso; e, que a entidade de acolhimento subscreveu um seguro de responsabilidade civil, salvo no caso dos voluntários que participam no Serviço Voluntário Europeu;
  • A prova de meios de subsistência pode ser efetuada através de apresentação de termo de responsabilidade pela organização responsável por programas de voluntariado.

 

Reagrupamento familiar

  • Notificação de deferimento do reagrupamento familiar entregue pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF);
  • Comprovativo de parentesco invocado: certidão de nascimento ou de casamento;
  • Para menores ou incapazes, autorização de viagem de quem exerça o poder paternal ou tutela.

 

Fixação de residência de reformados, religiosos e pessoas que vivam de rendimentos

Para religiosos:

  • Certificado da igreja ou comunidade a que pertençam, desde que reconhecidas pela ordem jurídica portuguesa;
  • O comprovativo da existência de meios de subsistência pode ser substituído por termo de responsabilidade da comunidade que recebe o/a religioso/a.

Para reformados:

  • Documento comprovativo de montante da reforma.

Para pessoas que vivam de rendimentos próprios:

  • Documento comprovativo de rendimentos provenientes de bens móveis ou imóveis, ou da propriedade intelectual, ou ainda de aplicações financeiras.

 

 

EMOLUMENTOS

As taxas a pagar pelo tratamento administrativo de um pedido de visto nacional são:

  • Visto de Estada Temporária – 75€
  • Vistos de Residência – 90€

Os emolumentos são pagos na moeda local (dinar sérvio – RSD), de acordo com a taxa de câmbio consular em vigor.

 

Isenções

Estão isentos do pagamento de taxas os requerentes de vistos concedidos:

  • A menores de 6 anos;
  • A descendentes de titulares de Autorização de Residência, ao abrigo das disposições do reagrupamento familiar;
  • A cidadãos estrangeiros que beneficiem de bolsas de estudo atribuídas pelo Estado Português;
  • Para o exercício de atividades de investigação altamente qualificada (residência e estada temporária);
  • A doentes beneficiários de Acordos de Cooperação com Portugal no domínio da saúde e respetivos acompanhantes.

 

PRAZOS

O prazo médio de decisão sobre o pedido de visto de residência, salvo exceções prevista na Lei, é de 60 dias.

O prazo médio de decisão sobre o pedido de visto de estada temporária é de 30 dias.

PARA MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE O PORTAL DOS VISTOShttps://www.vistos.mne.pt/pt/  

 

VISTOS SCHENGEN

 

O visto Schengen destina-se a estadas de curta duração até 90 dias em cada período de 180 dias e podem ser concedidos para efeitos de turismo, visita familiar, negócios, entre outros. 

Consulte aqui a lista de nacionalidades isentas de visto Schengen e a lista de nacionalidades com obrigação de visto Schengen.

Para a apresentação de um pedido de visto Schengen deve apresentar a seguinte documentação: 

  • Formulário devidamente preenchido e assinado (em caso de menores ou incapacitados deverá ser assinado pelo tutor legal);
  • Uma fotografia tipo passe;
  • Passaporte válido por mais 3 meses para além da data de saída prevista – fotocópia do passaporte e vistos anteriores;
  • Comprovativo da situação documental legal caso seja de outra nacionalidade que não a do país onde solicita o visto (autorização de residência);
  • Reserva de título de transporte de ida e volta;
  • Seguro médico de viagem. O seguro deve ser válido em todo o território dos Estados-Membros e cobrir a totalidade da duração prevista de estada. Deve permitir cobrir as despesas decorrentes de um eventual repatriamento por razões médicas, de assistência médica urgente e/ou de cuidados hospitalares urgentes e a sua cobertura deve ser, no mínimo, de 30.000 euros;
  • Condições económico-laborais: comprovativo da entidade empregadora e do salário auferido, e apresentação dos últimos 3 extratos bancários (prova de meios de subsistência) que garantam o período de duração da estada e regresso; caso seja trabalhador independente, comprovativo de empresa própria; caso seja reformado, comprovativo do montante de reforma;
  • Autorização de viagem para menores ou decisão do tribunal (quando aplicável); Caso o menor viaje sozinho ou apenas com um dos pais, cópia da certidão de nascimento, consentimento da autoridade parental ou tutor legal;
  • Reserva de hotel (se aplicável) ou termo de responsabilidade caso fique em alojamento privado; caso o signatário do termo de responsabilidade não seja português deverá fazer prova da sua situação documental legal em Portugal (autorização de residência);
  • Em viagens de negócios será solicitado um convite esclarecendo o motivo da deslocação, com as datas de chegada e partida, bem como indicação precisa da entidade anfitriã e do nome do responsável que faz o convite; ou,
  • Em caso de participação em eventos políticos, económicos, científicos, culturais, desportivos ou religiosos deverá provar a participação no evento mediante apresentação de inscrição ou bilhete de entrada; ou,
  • Caso seja estudante, comprovativo de inscrição ou frequência de Escola/Universidade com estabelecimento na Sérvia.

Emolumentos

A taxa a pagar pelo tratamento administrativo de um pedido de visto Schengen é de 60€.

Esta taxa é paga na moeda local (dinar sérvio – RSD), de acordo com a taxa de câmbio consular em vigor.

 

Isenções

Estão isentos do pagamento de emolumentos:

  • Crianças com menos de 6 anos de idade (à data da entrega do pedido de visto);
  • Estudantes e professores quando se desloquem em viagens de estudo ou formação;
  • Investigadores que se desloquem para efeitos de investigação científica;
  • Representantes de organizações sem fins lucrativos até 25 anos de idade que participem em seminários, conferências, eventos culturais/ desportivos organizados por organizações sem fins lucrativos;
  • Familiares de nacionais de Estados membros da UE, EEE ou da Suíça.

 

Prazos

Os pedidos devem ser apresentados com uma antecedência máxima de três meses em relação ao início da visita prevista e mínima de 15 dias.

A decisão sobre os pedidos de visto Schengen curta duração é tomada no prazo de 15 dias de calendário a contar da data de apresentação de um pedido admissível.

Contudo as nacionalidades constantes neste link estão sujeitas a consulta prévia com 7 dias de prazo.

 

PARA MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE O PORTAL DOS VISTOS https://www.vistos.mne.pt/pt/ 

 

  • Partilhe