Inscrições do Palácio Nacional de Mafra e do Santuário do Bom Jesus em Braga na Lista do Património Mundial

mne

No decurso da 43ª sessão do Comité do Património Mundial que decorre em Bacu, Azerbaijão, de 30 de junho a 10 de julho de 2019, foram hoje inscritos dois novos bens portugueses na Lista do Património Mundial. Portugal passa assim a dispor de 17 bens inscritos nesta prestigiosa lista.

O conjunto monumental do Palácio Nacional de Mafra inclui o Palácio propriamente dito, que integra a Basílica, cujo frontispício une os aposentos do Rei e da Rainha, o Convento, o Jardim do Cerco e a Tapada, sendo uma das mais emblemáticas e magnificentes obras do Rei D. João V.

O Santuário do Bom Jesus do Monte em Braga constitui um conjunto arquitetónico e paisagístico construído e reconstruído a partir do século XVI, no qual se evidenciam os estilos barroco, rococó e neoclássico. Compõe-se de um “Sacro Monte”, de um longo percurso de via-sacra atravessando a mata, de capelas que abrigam conjuntos escultóricos evocativos da morte e ressurreição de Cristo, fontes e estátuas alegóricas, da Basílica, culminando no “Terreiro dos Evangelistas”.

Fica assim bem assinalado o 40º aniversário da adesão de Portugal à Convenção para a Proteção do Património Mundial, Cultural e Natural em Portugal, aprovada pelo Decreto n.º 49/79 de 6 de junho.

A Lista do Património Mundial integra bens de valor universal excecional, o qual é aferido através do cumprimento de determinados critérios e de condições de integridade e de autenticidade, bem como da existência de um plano de gestão, por forma a preservar o valor excepcional do bem e assegurar a sua proteção eficaz enquanto algo que é propriedade de toda a Humanidade.

A Lista do Património Mundial passa assim a integrar os seguintes 17 bens portugueses: Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém em Lisboa, Convento de Cristo em Tomar, Mosteiro da Batalha e Zona Central da Cidade de Angra do Heroísmo nos Açores, 1983; Centro Histórico de Évora, 1986; Mosteiro de Alcobaça, 1989; Paisagem Cultural de Sintra, 1995; Centro Histórico do Porto, Ponte Luiz I e Mosteiro da Serra do Pilar, 1996; Sítios Pré-Históricos de Arte Rupestre do Vale do Rio Côa e de Siega Verde, 1998 /2010; Floresta Laurissilva na Madeira, 1999; Alto Douro Vinhateiro e Centro Histórico de Guimarães 2001; Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, 2004; Cidade-Quartel Fronteiriça de Elvas e suas Fortificações, 2012; Universidade de Coimbra – Alta e Sofia, 2013; Real Edifício de Mafra - Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco, Tapada, Santuário do Bom Jesus do Monte em Braga, 2019.

Foram ainda inscritos este ano na Lista do Património Mundial, entre outros, os bens Parati – Cultura e Biodiversidade no Brasil, o Sistema de Gestão da Água de Augsburgo na Alemanha e o sítio de Babilónia no Iraque.

 

Lisboa, 7 de julho de 2019

  • Partilhe